Blog do José Cruz

Arquivo : janeiro 2012

FIA, a fiel parceira do Esporte
Comentários 2

José Cruz

A Fundação Instituto de Administração (FIA), que recebeu R$ 4,6 milhões para criar a Empresa Brasileira de Legado Esportivo – já extinta, como se divulgou – é fiel cliente do Ministério do Esporte.

Em 2008, o ministério, então sob o comando de Orlando Silva, pagou R$ 12,9 milhões à FIA  para “elaborar estudo sobre o legado dos Jogos Pan-Americanos e apoio na implantação do plano estratégico de ações governamentais na elaboração do dossiê com vistas à candidatura dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de 2016”.  Os dados da Controladoria Geral da União (CGU).

A julgar pelos “legados” do Pan 2007 o estudo da FIA deve ter sido um estrondo…

E tem gente que fica emburrada, quando digo que se joga dinheiro público fora, com facilidade impressionante.

Memória
Recuperei as informações, que já havia publicado neste blog, para contribuir com a assessoria do ministro do Esporte, Aldo Rebelo, no que diz respeito às “heranças malditas” de seu antecessor, Orlando Silva.

A multiplicação do contrato
Lembro, por exemplo, sobre a contratação do “Consórcio Copa”, empresa de São Paulo, por míseros R$ 13,2 milhões.
Com bons argumentos, o tal Consórcio conseguiu dobrar o valor do contrato em apenas um ano. E La se foram mais R$ 24,7 milhões pela janela da Esplanada…

Até agora não se tem notícias em que foi gasto a dinheirama, e ninguém responde por essa farra.
Este assunto teve destaque no UOL Esporte, em 13 de setembro do ano passado. A reportagem foi do companheiro Roberto Pereira de Souza, com minha modesta colaboração.

Quem perdeu a leitura naquela ocasião, aproveite, aqui.


Calote ameaça estádio em MG
Comentários Comente

José Cruz

Reportagem de Renato Alves, publicada neste domingo no Correio Braziliense, expõe a falta de planejamento do futebol mineiro e o nível de gravidade de gestão esportiva que se chegou no país da Copa.

Principal palco do futebol no estado desde que o Mineirão e o Independência fecharam para reforma, a Arena do Jacaré – estádio do Democrata, de Sete Lagoas – vai a leilão para pagar dívida de R$ 73 mil com empresa de ferragens.

A reportagem, de Renato Alves está aqui.


Até em Cuba, quem diria!
Comentários 2

José Cruz

O PCC (Partido Comunista de Cuba) aprovou neste domingo medida que limita a dez anos o tempo máximo de permanência em cargos do poder. A intenção é promover quadros mais jovens no governo.

Já no Brasil…

A democracia ainda não chegou à gestão do esporte.

Presidentes de comitês, confederações e federações não têm prazo para sair de suas cadeiras. Tem gente mandando há 22 anos…

A perpetuação dos cartolas é um dos mais graves e tristes problemas no Brasil olímpico, ao lado da lei do silêncio que é imposta aos atletas.

Que vergonha!


Balanço oficial do esporte
Comentários 1

José Cruz

Três meses depois de ter assumido o Ministério do Esporte, o deputado Aldo Rebelo disse que fez uma primeira reforma – “emergencial” – nas diretorias da pasta.

“Mas outras podem ser feitas. Não me precipito porque não há razão para isso”.

A afirmação está na entrevista de Aldo à repórter Cida Barbosa, do Correio Braziliense.  Ela abordou sobre Copa, Olimpíada, corrupção, Segundo Tempo, etc. Um oportuno balanço.

Mas Aldo deixa uma dúvida:

Todas as obras previstas de infraestrutura (para a Copa)  estarão prontas? Não tenho segurança. Mas as mais importantes, eu creio que sim.

Confira a entrevista.


O Pinóquio do esporte
Comentários 9

José Cruz

Confirmando o que antecipei em março  de 2010, o governador do Distrito Federal disse ontem, com um ano de atraso, que o novo estádio Mané Garrincha custará “cerca de R$850 milhões”, e não R$ 650 milhões que foram mentidos por ele mesmo à população.

Mesmo atualizando o valor, Agnelo voltou a falar inverdades, porque a obra passará de R$ 1 bilhão. Em breve os jornais, obedientes ao discurso oficial, vão noticiar isso.
Motivo: no custo original  não estava prevista a “cobertura”, disse o governador, que, com suas inverdades, lembra o folclórico personagem Pinóquio.

Agora sairá a licitação para a cobertura do estádio. Depois virá outra para o gramado, mais uma para a iluminação, outra para elevadores, geladeiras, poltronas, tecnologia da informação, carpetes, banheiras para os vestiários dos atletas, sanitários em geral e por aí vai.

Inventor
Quando está sem notícia para colocar seu nome em evidência, o governador do Distrito Federal (que esta semana volta às páginas policiais da revista Veja) inventa uma visita às obras do estádio Mané Garrincha. E qualquer bobagem que diga é publicada com destaque.

Diz Agnelo que licitação internacional escolherá empresa para assumir o Mané Garrincha. Ora, se o elefante em construção é um negócio rentável, como afirma, porque entregá-lo à iniciativa privada?

Está aí outra mentira: em 2008, três empresas estrangeiras estiveram aqui pesquisando o mercado, para projetar o uso do Mané Garrincha como arena multiuso. Dependendo do resultado, poderiam até bancar as obras do novo estádio. Porém,  depois de três meses os especialistas foram embora. O desinteresse foi geral.

Enquanto isso…
A soma dos incentivos fiscais e gastos públicos relacionados ao estádio que o Corinthians está construindo em Itaquera (Zona Leste de São Paulo) gira em torno de R$ 581 milhões. O valor é superior ao custo total de seis das 12 arenas que estão sendo construídas ou reformadas para a Copa do Mundo de 2014, informam os repórteres Vinícius Konchinski e Vinícius Segalla, do UOL Esporte.

E teve aquela do Lula, dizendo que “a Copa não terá um só centavo de dinheiro público…”


O basquete pelas tabelas
Comentários 1

José Cruz

Com bom dinheiro em caixa – patrocínio de R$ 11 milhões da Eletrobras, R$ 2 milhões em convênios com o Ministério do Esporte e R$ 2,9 milhões da Lei de Incentivo  – e as seleções masculina e feminina classificadas para os Jogos Olímpicos de Londres, nem assim o basquete brasileiro se fortalece na sua estrutura, capaz de transmitir segurança de uma instituição sólida e confiável, que dirige esporte tão dinâmico quanto apaixonante.

Desportistas que acompanham o assunto de perto têm pesquisas que colocam o ex-presidente Gerasime Bozikis, o Grego, na liderança de uma possível disputa para voltar à Confederação Brasileira de Basquete.

Grego e Carlinhos: “Segura aí que daqui a pouco eu retorno…”

Em 2009, Carlinhos venceu a eleição sobre Grego justamente com o discurso de mudar o relacionamento com as federações, tornando-as parceiras próximas e atuantes, o que não ocorreu. E o interessante é que Grego também chegou à CBB com o mesmo discurso… Vai entender!

Para tentar se reaproximar dos eleitores – 11 abstiveram-se  de votar, em 2009 – Carlinhos volta-se às federações. Quer promover “clínicas” no Maranhão, por exemplo, como se isso fosse o suficiente para motivar a descrente direção daquele estado.

Por ter sido um dos que não votou em Carlinhos, o presidente da Federação de Basquete do Maranhão, Manoel Castro, sofre retaliações. Mas não esconde a mágoa e manda o recado:

“Volto a dizer que não faço troca de votos ou de apoios, pois a obrigação dos dirigentes é cumprir com os compromissos do estatuto”, afirmou ele, indignado, em correspondência à CBB.

Mais: “Faço basquete com amor e responsabilidade, mas o Maranhão não vive de migalhas”, reforçou. E bateu o martelo: “Não vou me curvar diante de qualquer pessoa”.

É nesse tom que outros dirigentes dialogam com a Confederação de Basquete, o que, convenhamos, diminui a autoridade de Carlinhos. A maioria, a exemplo de Manoel Castro, cobra clareza na gestão dos recursos públicos da CBB, que tem entre seus dirigentes expressões nacionais do nível da ex-rainha Hortência e José Carlos Brunoro, uma autoridade do marketing esportivo.

Isso, porém, não ameniza a indignação de Manoel Castro. Ele cobra:
“Onde está a demonstração de despesas que nos garantiram apresentar, como consta em ata da assembléia?”.

A bronca faz sentido e é até vergonhoso que já no século 21 ainda se tenha administrações com gestões financeiras duvidosas.

Afinal, a confederação é a síntese das federações. É em nome delas que o presidente é eleito e, como tal, é para elas que deve se voltar a gestão, prioritariamente.

Porém, como ocorre em outras instituições do gênero, uma vez no cargo o cartola se esquece do eleitor, encerra o diálogo, não honra os compromissos assumidos. Pior: ignora que é o gestor de dinheiro público e não só aos presidentes de federações deve explicações, mas ao contribuinte em geral, pois é esse que financia o esporte de alto rendimento no país. Portanto, prestar contas é obrigação moral, antes de uma exigência estatutária.


“O doping e a natação brasileira”
Comentários 2

José Cruz

Peço licença ao agora nadador master, Rogério Romero – cinco olimpíadas no currículo –,  atual secretário-adjunto de Esporte e da Juventude de Minas Gerais, para publicar o oportuno comentário de seu blog  – “O doping e a natação brasileira, algumas estatísticas alarmantes”, com link para outro artigo, sobre a suspensão de Fabíola Molina.
Confira aqui


Segundo Tempo: nota do Ministério do Esporte
Comentários Comente

José Cruz

Com relação às informações do Tribunal de Contas da União, aqui reproduzidas, suspendendo licitação do Ministério do Esporte para confecção de uniformes do programa Segundo Tempo, recebemos a seguinte nota oficial:

O Ministério do Esporte já apresentou todos os esclarecimentos requeridos pelo Tribunal de Contas da União sobre o processo de licitação em questão e aguarda decisão final do Tribunal. Só após essa decisão será finalizado o processo licitatório. O material licitado (8,12 milhões de camisetas e 4 milhões de bermudas) é destinado aos estudantes atendidos em convênios formalizados do Programa Segundo Tempo, em todo o país.”


Segundo Tempo: TCU suspende mais uma licitação superfaturada
Comentários 1

José Cruz

O Tribunal de Contas da União (TCU) suspendeu licitação do Ministério do Esporte para confecção de uniformes destinados ao Programa Segundo Tempo, em todo o território nacional.

O TCU identificou indícios de irregularidades, como excesso na exigência de comprovação da qualificação técnica, o fornecimento dos uniformes por um único contratado e a proibição à participação de consórcios.

Diante das exigências do Ministério, 11 empresas ficaram fora da concorrência. Resultado: a proposta vencedora superou em mais de R$ 16 milhões o preço da proposta que ficou em segundo lugar.

“O relator do processo, ministro-substituto Marcos Bemquerer Costa, considerou excessiva a exigência de que as licitantes deveriam atestar documentalmente a execução de, no mínimo, 50% dos uniformes, para efeito de qualificação técnica” – informou a assessoria de imprensa do TCU.

O ministro também questionou a opção pelo fornecimento do material em escala nacional por um único contratado, em detrimento de outras formas de contratação, como o fornecimento por região.

Denúncias

O Programa Segundo Tempo tem por objetivo democratizar o acesso à prática e à cultura do esporte de forma a promover o desenvolvimento integral de crianças, adolescentes e jovens, como fator de formação da cidadania e melhoria da qualidade de vida, prioritariamente em áreas de vulnerabilidade social.

Nos últimos anos, porém, tornou-se um dos mais visados programas de investigação, com dezenas de denúncias de irregularidades, desvio de dinheiro e superfaturamentos, Alguns projetos estão sendo investigados pela Polícia Federal. Em Brasília, por exemplo, um projeto com suspeita de desvio de R$ 3 milhões, tem entre os denunciados o ex-ministro e atual governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz. As denúncias de suspeitas de irregularidades no Segundo Tempo são tão graves que em outubro passado provocaram a queda do então ministro Orlando Silva.


Secretário de fôlego
Comentários 1

José Cruz

Vascaíno detentor da comenda de “Grande Benemérito”, Luis Fernandes assumiu a secretaria-executiva do Ministério do Esporte, o segundo cargo em importância na estrutura da pasta, vice do titular Aldo Rebelo.

Real brincadeira de “boas-vindas” ao bem-humorado secretário, claro, mas a observação foi de um colorado. Ele não perdeu a ocasião de relacionar o cargo do titular ao folclore das conquistas de vices-campeonatos do simpático clube carioca.

Brincadeira de torcedor, repito, porque o cientista político – com doutorado nos Estados Unidos, Luís Fernandes retornou prestigiado à Esplanada dos Ministério –, depois de passagens por outras pastas, como a de Ciência e Tecnologia, com quem quer maior intercâmbio, de olho nos megaeventos que se aproximam.

É no gabinete do secretário-executivo que se concentrarão os principais debates e decisões sobre Copa do Mundo e Olimpíada no Brasil.
Essa é mais uma mudança do ministro Aldo Rebelo, esvaziando a Secretaria de Futebol, onde estava o assunto para 2014, e que na gestão do ex-ministro Orlando Silva tinha predominância política, ao contrário de agora, de perfil técnico. A decisão ministerial recebeu o aval do presidente do PCdoB, Renato Rabelo, presente à solenidade desta tarde, em Brasília.

Grupos
Com um calendário extremamente apertado diante do atraso nas frentes de trabalho para a Copa do Mundo – as obras públicas, principalmente –, o novo secretário-executivo comandará também as ações de rotina do Ministério, como reorganizar o programa Segundo Tempo – investigado por denúncias de corrupção, de longa data, e uso de cargos para campanhas eleitorais.

“É possível combinar aumento de eficiência na gestão com o estrito cumprimento da legalidade”, afirmou. Traduzindo: transparência e responsabilidade nos atos públicos.

Ação política
Político de tradição no PCdoB, o deputado federal Aldo Rebelo (SP) dá, aos poucos, novo perfil ao Ministério do Esporte, assessorando-se de pessoal com experiência técnica, indispensável para enfrentar os megaeventos, a partir da Copa das Confederações, já no ano que vem.
Assim, o ministro ficará mais liberado para as ações políticas, quer no Congresso Nacional – onde ainda tramita a Lei Geral da Copa – quer com as demais instituições, internacionais, inclusive.
A mudança é muito clara: Orlando Silva usava esses megaeventos como plataforma política para se projetar – e os companheiros, inclusive – em campanhas eleitorais. Aldo até poderá fazer isso, mas prioritariamente procura recuperar a credibilidade da desgastada pasta e, por extensão, do histórico partido ao qual pertence.

Dúvida
“As prioridades do ministério são Copa e Olimpíada, declarou o secretário Luís Fernandes.”
Mas diante do gigantismo do esporte brasileiro – com enorme abrangência em dezenas de modalidades – fico em dúvida se um gestor ocupado com megaeventos terá tempo para as questões internas, ainda frágeis na própria estrutura e crônica falta de diálogo entre os entes institucionais, e sem termos, ainda, base sólida para projetar novos talentos.

Corredor de provas de fundo, Luís Fernandes testará, agora, se tem fôlego para a exigente burocracia do esporte na Esplanada dos Ministérios.
Bem-vindo, secretário, e boa sorte ao seu Vasco da Gama.