Blog do José Cruz

A Copa e as obras do PAC 2
Comentários Comente

José Cruz

A turma da Fifa é apressada com esse negócio de cumprir cronogramas, prazos etc. Comparem as obras para a Copa com estes números executados do PAC 2, o Programa de Aceleração de Crescimento, do Governo Federal, prioritariamente para obras sociais.

Anunciados em 2010, mais da metade dos 49.095 empreendimentos do PAC 2 continuava no papel em dezembro de 2013. Apenas 12% dos empreendimentos estão concluídos, constatou um recente balanço da equipe da Associação Contas Abertas, em Brasília. Mas o governo já fala em lançar o PAC 3.

PAC do esporte

“Das 9.158  quadras esportivas que seriam construídas em escolas, apenas 481, cerca de 5% foram inauguradas. E nenhum dos 285 centros de iniciação do esporte ficou pronto”, disse Gil Castello Branco, que dirige Contas Abertas.

Isso que o PAC é de  “aceleração” !

Esses números são ótimos argumentos para tentar acalmar a “apressada” turma da Fifa. Ainda faltam 50 dias para a bola rolar. Pra que tanta correria? Há tempo, é mais de um mês…

 

MINISTÉRIO DO ESPORTE – PAC 2

Estágio

Tipo

Quantidade de Empreendimentos

AÇÃO PREPARATÓRIAEquipamentos p/ Alto Rendimento

20

EM CONTRATAÇÃOCentro de Iniciação ao Esporte

285

EM OBRASEquipamentos p/ Alto Rendimento

4

TOTAL PROPOSTO

309

 

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO – PAC 2

QUADRAS ESPORTIVAS NA ESCOLA 

ESTÁGIOQuantidade de Empreendimentos
AÇÃO PREPARATÓRIA4.338
CONCLUÍDO481
EM CONTRATAÇÃO1.866

“Esporte olímpico no Rio etá acabado”
Comentários 2

José Cruz

Em entrevista à Folha de S.Paulo, ontem, o nadador Matheus  Santana, da seleção brasileira adulta (50m e 100m livres), dono de três medalhas de ouro nos Jogos Sul-americanos de Santiago, em março, declarou:

O esporte olímpico do Rio está acabado. Só se pensa em futebol. Flamengo e Vasco acabaram com projetos grandes que tinham de uma maneira que não foi muito certa”.

Essa manifestação ocorreu sete anos depois de o Rio ter recebido os Jogos Pan-Americanos, com investimentos de R$ 4 bilhões em áreas esportivas e equipamentos. Agora, serão aplicados cerca de R$ 30 bilhões na preparação para os Jogos Olímpicos 2016. Já os projetos para formação de atletas…

Desfalque

Hoje é o segundo dia do Troféu Maria Lenk, em São Paulo, o mais importante evento da natação brasileira.

O blog do técnico Alex Pussieldi, brasileiro que tem academia de natação nos Estados Unidos, há 11 anos, lembrou que o Flamengo foi o campeão da edição 2012. É o clube mais vitorioso do Troféu, ao lado do Pinheiros, com 13 conquistas.

Mesmo assim, a direção do clube carioca acabou com a equipe profissional. À época, a alegação foi de que o dinheiro deveria ser concentrado no Departamento de Futebol.

Agora, o Flamengo disputa o Troféu Maria Lenk com apenas três atletas, a menor delegação na história do clube em campeonatos absolutos.

E a foto abaixo mostra o que sobrou da piscina do Flamengo, onde treinava, inclusive, o campeoníssimo Cesar Cielo. Originalmente, essa foto foi publicada no blog de Pussieldi.

”"

 

 


Maratona de Boston: 20 anos do recorde de Carmem de Oliveira
Comentários 1

José Cruz

“Boston tem charme. É a corrida mais antiga, depois da maratona olímpica. Boston atrai os principais nomes da elite mundial e naquele ano (1994) eu ainda era uma corredora desconhecida, mas estava lá. Também por isso, a marca é inesquecível”.

A maratona de Boston, nos Estados Unidos, que hoje realiza a sua 118ª edição, tem um significado especial para o nosso atletismo de rua. Foi nessa prova que, há vinte anos, Carmem de Oliveira tornou-se a primeira brasileira a correr os 42 km em menos de duas horas e meia. Ela fez a distância em 2h27min41s.

Até hoje, nenhuma brasileira conseguiu baixar essa marca. Quem chegou mais perto foi Márcia Narloch, 2h29min59s, em Hamburgo, 2004, e Adriana Aparecida, 2h29min17s, Tóquio, 2012.

Carmem terminou a prova de Boston em terceiro lugar. A campeã foi a alemã Uta Pippig, com 2h21min45s, que venceu nos dois anos seguintes, tornando-se tricampeã da centenária corrida.

O início…

Carmem começou a correr tarde, com 17 anos. Já era mãe, de Christianne, quando foi descoberta pelo técnico João Sena, numa competição colegial em Sobradinho, nos arredores de Brasília. Mas, logo no início, demonstrou resistência natural para as provas de longa distância.

“Prometi à família de Carmem que em seis meses ela seria uma campeã, a maior corredora do Brasil”, relembra Sena, sobre quando foi pedir autorização para que Carmem se tornasse atleta. “Mas isso dá dinheiro?” – indagou a corredora, sem saber nada sobre o mundo em que estreava.

Sena acertou. Fez todo o trabalho de base para provas de pista antes de entrarem nas competições de rua, onde o dinheiro dos prêmios, depois dos cachês e patrocínios, começou a aparecer.  Os tempos e recordes vieram. Carmem foi treinar nos Estados Unidos, com Brian Appel, e se consagrou a principal atleta brasileira de todos os tempos, nas provas de pista e de rua.

Carmem foi também a primeira brasileira a vencer os 10 mil metros em Jogos Pan-Americanos. E foi a pioneira em vitória para o país na Corrida de São Silvestre, em 1995. Duas temporadas depois, ao completar 16 anos de competições, Carmem encerrou a carreira.

… e o fim

Hoje com 48 anos, casada com Paulo, Carmem não faz festa pelas marcas que detêm. Mas compara as “dificuldades daquele tempo com as facilidades de agora, quando há muito recursos incentivando os que estão iniciando carreira”.

Na minha época eu precisava correr bem para vencer e vencendo chegava ao pódio, tinha prêmios, até conquistar um patrocínio, porque não havia outra forma de incentivo, nem Bolsa Atleta, nada! Todo aquele esforço era um misto de esporte e trabalho e eu, que era de família muito humilde, transformava os ganhos em salário”.

RECORDES BRASILEIROS DE CARMEM QUE AINDA PERSISTEM

PROVA

ANO

TEMPO

LOCAL

10km pista

1993

31min47s76Stuttgart (ALE)
10km rua

1993

32min96sBoston (EUA)
5km rua

1992

15min39sAlbany (EUA)
30km rua

1993

1h48min30sTóquio (JAP)
Maratona

1994

2h27min41sBoston (EUA)

Rio 2016: natação continua registrando queda de competidores
Comentários 4

José Cruz

O 54º Troféu Maria Lenk de Natação começa na segunda-feira, na piscina do Ibirapuera, em São Paulo. É a principal competição da modalidade, no Brasil, mas registra a queda no número de participantes pelo quarto ano consecutivo. Em 2010 foram 434 inscritos. Agora, 342.

ANO

ATLETAS

2010

434

2011

386

2012

362

2013

349

2014

342

 

Das 43 equipes inscritas, 19 vão disputar o Troféu com apenas um nadador! E  somente oito revezamentos no masculino e sete no feminino estarão nas raias.

Pior:

O mais preocupante para o Brasil olímpico é que praticamente 50% dos competidores (174 atletas) pertencem a apenas três equipes de dois estados: 75 do Esporte Clube Pinheiros (SP), 57 do Corinthians (SP) e 42 do Minas Tênis (MG), segundo a CBDA.

Os outros 168 atletas que disputarão o Troféu dividem-se entre 40 agremiações, média de 4,2 nadadores por delegação. E 19 equipes vão disputar o evento com apenas um atleta…

Os destaques do evento serão os medalhistas olímpicos Thiago Pereira, do Sesi, e Cesar Cielo, do Minas Tênis.

Rio de Janeiro

O Rio de Janeiro, sede dos Jogos Pan-Americanos de 2007, dos Jogos Mundiais Militares em 2011 e da Olimpíada 2016, terá apenas três clubes, Botafogo, Fluminense e Flamengo, com somente 17 nadadores. E nenhum desses tradicionais clubes estará nas provas de revezamento.

O Troféu Maria Lenk é promovido pela Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA), patrocinada pelos Correios, Bradesco (via Lei de Incentivo ao Esporte), loterias federais (Lei Piva) e a maioria dos atletas tem Bolsa do Ministério do Esporte.

Memória

Esses dados demonstram a crônica falta de massificação da natação no Brasil. E refletem a análise de Alex Pussieldi, brasileiro que há 11 anos mora nos Estados Unidos, onde é técnico de natação. Em novembro do ano passado ele escreveu neste blog:

 “A situação das categorias inferiores no Brasil é caótica. Infelizmente, a cada ano temos menos gente fazendo natação competitiva em nosso país.  Até nosso campeão olímpico e recordista mundial César Cielo foi capaz de ver isso, quando revelou que após o ouro de Beijing 2008 a natação do Brasil “involuiu”.

Leia o artigo de Alex Pussieldi, que publiquei no blog, no seguinte link:

http://josecruz.blogosfera.uol.com.br/2013/11/natacao-involuiu-numeros-sao-alarmantes/


Revista do Senado faz histórico balanço sobre a Copa 2014
Comentários 1

José Cruz

O mais recente e bem elaborado balanço da Copa do Mundo no Brasil está na revista “Em Discussão!” – do Senado Federal –,  que será lançada na próxima quarta-feira.

Os textos estão distribuídos em 56 páginas e foram produzidos a partir da atuação dos parlamentares na fiscalização e controle dos gastos com a Copa e relatórios do Tribunal de Contas da União, sugerindo a manchete: “Todo mundo de olho no Brasil”.

Acompanhei rapidamente essa edição em dois momentos, quando conversei com os editores João Carlos da Silva Teixeira e Sylvio Guedes: na elaboração da pauta e no envio dos originais para a gráfica. O trabalho tem conteúdo de qualidade e texto crítico, o que transforma a revista num documento histórico sobre esse megaevento no Brasil.

“Atrasos nas obras, reajustes nos preços e cancelamentos principalmente de projetos de mobilidade urbana fizeram com que os brasileiros não se mostrassem tão satisfeitos com a realização do Mundial no país. Essa divisão da população entre a tradicional festa que acontece a cada Copa e a rejeição aos investimentos com o evento ficou clara em junho do ano passado, quando manifestações irromperam em diversas cidades do país, especialmente aquelas que sediaram a Copa das Confederações em 2013”, escreveram os editores, apresentando “Em Discussão!”.

Na quarta-feira publicarei o link para acesso à revista.


Aldo Rebelo e Silvio Torres: censurados e processados
Comentários 3

José Cruz

Na audiência pública da última terça-feira, na Comissão de Esporte da Câmara dos Deputados, o ministro do Esporte, Aldo Rebelo, lembrou ao deputado Silvio Torres (PSDB-SP) que ambos são os únicos parlamentares-autores censurados na imprensa brasileira. Por decisão judicial, eles foram proibidos de publicar o relatório final da CPI da CBF Nike, em 2001.

Pior

“O pior, ministro – disse o deputado Silvio Torres -, é que também estamos sendo processados por Ricardo Teixeira (ex-presidente da CBF), por danos morais. Se perdermos a ação, cada um de nós pagará R$ 50 mil a ele. Espero que o Senhor esteja se defendendo muito bem …”

Memória

Aldo, presidente da CPI da CBF Nike, em 2001, e Silvio Torres, relator, não conseguiram aprovar o relatório final da Comissão, depois de comprovarem atos de corrupção, evasão de divisas, tráfico de menores, enriquecimentos ilícitos, esquemas fraudulentos e criminosos contra o patrimônio público, enfim, uma farra.

Na última sessão da CPI, em dezembro de 2001, o então deputado Eurico Miranda, liderando a bancada da bola, tumultuou o plenário. Gritou, desacatou o presidente da mesa, rasgou cópia do relatório que recebera, enfim. Sem conseguir conter a confusão, Aldo Rebelo e Silvio Torres encerraram a CPI, e o relatório não foi votado. Vitória da bancada da bola.

Mas o documento foi transformado num precioso livro de 260 páginas, com prefácio de Juca Kfouri. São valiosas informações ali contidas, mostrando em detalhes como o futebol esconde diferentes formas de crimes.

Ricardo Teixeira não gostou de ver o esquema da CBF tornado público e foi á Justiça, argumentando que o relatório não havia sido aprovado e, assim, o livro não tinha valor.  O juiz de plantão acatou o argumento. 2 x 0 para a cartolagem, apesar de o relatório ter sido produzido a partir de documentos oficiais, obtidos pela quebra de sigilos fiscais e bancários da Confederação Brasileira de Futebol, federações e vários clubes.

Passa o tempo

Durante a CPI, o lobista da CBF, Vandenbergue Sobreira Machado atuou com desenvoltura junto á bancada da bola. Experiente nos bastidores da atividade parlamentar ele foi de grande importância para sufocar o relatório final.

Ironias do destino, Vandenbergue e Aldo Rebelo voltam a se encontrar agora, 13 anos depois daquele episódio. Porém, como parceiros, na mesma mesa, pacífica e democrática que o esporte sabe reservar.

Em ato ministerial, Aldo Rebelo nomeou Vandenbergue como suplente da representação da CBF no Conselho Nacional do Esporte, cujo titular é o presidente da Federação Brasiliense de Futebol, Jozafá Dantas do Nascimento.

Tudo em paz.

 


Jennings denuncia compra de votos na eleição dos Jogos Rio 2016
Comentários 3

José Cruz

Vem aí mais uma publicação do escocês Andrew Jennings, o jornalista investigativo autor de “Os senhores dos anéis” –  poder, dinheiro e drogas no movimento olímpico”,  e “Jogo Sujo – os bastidores d Fifa”.

Agora, em “Ormetà, o jogo cada vez mais sujo”, da Panda Books e com prefácio do deputado Romário, Jennings levanta suspeitas sobre a compra de votos que levaram o Rio de Janeiro a se tornar sede dos Jogos de 2016.  Ele usou a expressão “ormeta” em referência ao código de silêncio da máfia, justamente o que os jornalista enfrentam nas investigações sobre o submundo olímpico, silêncio total.

Andrew Jennings foi pioneiro na investigação de documentos que comprovaram corrupção na Fifa, culminando com a queda de Ricardo Teixeira da CBF e o pedido de demissão de João Havelange da cúpula do Comitê Olímpico Internacional, para fugir de processo de expulsão.

O Rio ganhou a sede olímpica em outubro de 2009. “Havelange sabia o preço de todos os membros do COI que votariam na escolha”, disse o autor, afirmando que o brasileiro esteve envolvido com o esporte por 46 anos e “atuado por décadas” ao lado de Jean Marie Weber, apontado pela Justiça suíça como membro do esquema de corrupção na Fifa. Havelange e Weber estavam na assembleia do COI, quando o Rio de Janeiro foi escolhido sede olímpica. E é a relação desses senhores com os votantes que Jennings conta em detalhes no seu novo livro.

Conheça o site de Andrew Jennings:

http://www.transparencyinsport.org/


O drama de Laís e o apelo ao ministro Aldo Rebelo
Comentários 3

José Cruz

A deputada federal Mara Gabrilli fez um emocionante apelo ao ministro do Esporte, Aldo Rebelo, ontem, na Comissão de Esporte, em favor da atleta Laís Souza, e exibiu a fragilidade da legislação esportiva, a Lei Pelé, em particular.

Laís, 26 anos,  se acidentou em janeiro, quando treinava em Salt Lake City (EUA) para os Jogos Olímpicos de Inverno em Sochi (Rússia). Laís sofreu lesão entre a terceira e a quarta vértebras, afetando a medula e deixando a atleta sem movimentos do pescoço para baixo.

“O tratamento de Laís está sendo pago pelo COB e pela Confederação de Desportos na Neve. Não há o que reclamar. Mas até quando? E depois? Quem vai olhar por essa atleta que representava o Brasil?  A família dela é humilde, não tem condições de enfrentar despesas tão grandes” –  disse a deputada Gabrilli, pedindo providências ao ministro.

Tetraplégica, a deputada Mara Gabrilli fala com autoridade. Ela conhece muito bem as dificuldades de quem precisa de cadeira de rodas para se locomover.

A lei

A Lei Pelé (nº 9.615/98) trata em seu artigo 45 sobre a “obrigatoriedade de seguro de vida e de acidentes pessoais para os atletas profissionais, com o objetivo de cobrir os riscos a que eles estão sujeitos”.

Porém, escondido no final da lei, no artigo 94 – “Disposições Transitórias” –  diz que o tal artigo 45, entre outros, “será obrigatório exclusivamente para atletas e entidades de prática profissional da modalidade futebol”.  Laís, ex-ginasta, é atleta da Confederação Brasileira de Desportos na Neve.

O Comitê Olímpico Brasileiro garante seguro aos atletas inscritos em competições internacionais oficiais. No caso, Laís estava “pré-convocada”, sem seguro, portanto. Mas o COB, através de notas oficiais –  e depoimentos da família confirmam – , diz que o tratamento da atleta está coberto por duas apólices.

O problema, em geral, continua, pois está na origem, na forma discriminada de tratamento dos atletas, independentemente de convocações.

A Lei Pelé passou por várias atualizações no Congresso Nacional, a última em 2011, e nunca as excelências se preocuparam em dar a todos os atletas e esportes o mesmo tratamento dispensado ao futebol, como se somente esses estivessem sujeitos a acidentes.


A Copa e o jeitinho brasileiro como marca nacional
Comentários 4

José Cruz

Por Alexandre Guimarães

Consultor Legislativo do Senado Federal, especialista nas áreas de esporte e turismo

Afirma-se que a Copa do Mundo deixa em cada País-sede um legado à sua imagem: por exemplo, exalta-se o fim das rivalidades históricas entre coreanos e japoneses, a nova visão sobre os alemães unidos numa rica república, ou a África do Sul multiética que venceu o mal do apartheid. Qual o legado que o Brasil deixará após esta Copa?

A dois meses da Copa, muito do que se prometeu ou não foi realizado ou está para ser concluído. Não há como negar, o “jeitinho brasileiro” será a marca de nosso povo para o mundo.

Nenhuma pessoa séria duvidou da realização da Copa em 2014. Acreditava-se (e o tempo confirmou) que não seria feita como prometida pela CBF e pelos políticos entusiastas de plantão. Promessas, prazos, preços, tudo mudou com o tempo.

Aqui cabe uma lembrança histórica: desde 17 de março de 2004 sabíamos que a sede seria aqui, quando a Conmebol anunciou, após votação unânime das dez associações membros, que o Brasil era candidato único. Houve dez anos de antecedência para preparar o País. Mesmo se contando como data oficial a ratificação da Fifa, houve quase sete anos até a realização do evento.

O que se viu desde início foi a total falta de planejamento. Apresentram-se  18 possíveis cidades-sedes na “Proposta de Candidatura”, número excessivo para a pretensão da Fifa que planejava ter de oito a dez cidades-sede, no máximo.

Lendo o “Relatório de Inspeção da Candidatura do Brasil para a Copa do Mundo FIFA 2014”, de 30 de outubro de 2007, observa-se, também, subestimação do custo e equívoco quanto à fonte de financiamento para a reforma ou construção dos estádios. Na opinião dos inspetores, nenhum dos estádios no Brasil seria adequado a realizar partidas do evento. Segundo o modelo brasileiro proposto seria dada “prioridade ao financiamento privado na construção e reforma dos estádios por meio de concessões e eventuais parcerias público-privadas (PPP)”. Além disso, aCBF estimava os investimentos relacionados à construção e/ou reforma de estádios em US$ 1,1 bilhão.

Poucos foram os estados que optaram pelas parcerias público-privadas (PPP) para seus estádios: Bahia, Ceará, Minas Gerais, Pernambuco e Rio Grande do Norte. Mesmo assim, com um total de financiamentos por bancos públicos de R$ 2,651 bilhões (mais de US$ 1,2 bilhão, com US$ 1 = R$ 2,20), segundo dados do Portal de Transparência da Controladoria-Geral da União (CGU).

Nada avançou quanto às obras de infraestrutura, de 2007 a 2010, com a desculpa da incerteza sobre quais seriam as cidades-sede. No entanto, para algumas cidades com tradição esportiva ou para a capital federal, a escolha era óbvia. Não há como justificar que oito delas (Belo Horizonte, Brasília, Fortaleza, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo) não avançassem os projetos básicos e executivos das obras de mobilidade urbana de extrema relevância, assim como de seus estádios. Essa situação era viabilizada pela pressão da Presidência da República e da CBF para que a Fifa escolhesse 12 sedes, o que ocorreu em 31 de maio de 2009. Os anos eleitorais de 2010 e 2012 também reduziram ou pararam de vez o ritmo de várias obras, em especial as de mobilidade urbana.

Em 2011, governo contestaria a Nota Técnica “Aeroportos no Brasil: investimentos recentes, perspectivas e preocupações”, do IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), que afirmava, entre outras coisas, que nove dos treze aeroportos não teriam obras concluídas até a Copa do Mundo FIFA 2014. Hoje, mesmo com a concessão de alguns aeroportos, são as obras que serão concluídas.

Apesar da promessa de que várias obras de mobilidade urbana e de estádios estivessem concluídas no prazo inicial de dezembro de 2012, apenas dois estádios cumpriram seus prazos: o Mineirão, em Belo Horizonte, e o Castelão, em Fortaleza.

Se o objetivo da Copa das Confederações FIFA 2013 era o de ser um evento-teste no Brasil, ele não foi alcançado. De todas as obras previstas, somente uma de mobilidade urbana estava concluída no ano e a tempo do evento: a construção do corredor de ônibus do Boulevard Arrudas/Tereza Cristina, em Belo Horizonte.

Mas não é ser pessimistas, como muitos querem rotular: trata-se da dificuldade de ser um técnico e trabalhar apenas com dados reais e não conjeturas. Por isso, apesar de muitos aspectos negativos terem sido ressaltados, não há porque descrer que o evento ocorrerá com êxito, pois é do caráter do povo brasileiro realizar, com os recursos disponíveis, tudo da melhor forma possível, mesmo que de improviso – o famoso “jeitinho brasileiro”.


Fifa: a ditadura que persiste
Comentários Comente

José Cruz

“Ainda hoje, o mundo está dominado por uma série de regimes totalitários. E nem todos são militares. Vejam a Fifa, se não fosse uma ditadura, os jogadores não seriam tratados como coisas, mas como pessoas de respeito”

Em Brasília, para a 2ª Bienal do Livro e da Literatura, o escritor uruguaio Eduardo Galeano falou sobre “Futebol e Ditadura na América Latina”, um dos temas que ele domina há anos.

Uma amiga apaixonada por esporte e literatura me chamou atenção para a crônica “O fim da partida”,  de Eduardo Galeano, em seu livro “Futebol ao sol e à sombra”. Um dos parágrafos sintetiza o fascínio, o poder e a poesia que o autor analisa no jogo da bola:

Uma jornalista perguntou à teóloga alemã Dorothee Sölle:

- Como a senhora explicaria a um menino o que é a felicidade?

- Não explicaria – respondeu. – Daria uma bola para que jogasse.

“O futebol profissional – continua Galeano – faz todo o possível para castrar essa energia de felicidade, mas ela sobrevive apesar de todos os pesares.  … Por mais que os tecnocratas o programem até o mínimo detalhe, por muito que os poderosos o manipulem, o futebol continua querendo ser a arte do imprevisto. Onde menos se espera salta o impossível, o anão dá uma lição ao gigante, e o negro mirrado e cambaio faz de bobo o atleta esculpido na Grécia”.

Nas manifestações do autor uruguaio fica claro que o futebol é uma paixão poética sem igual, mas, sob o domínio de poderosos, tornou-se negócio valorizado onde imperam a corrupção e a influência política. Tal como na preparação da Copa no Brasil,  e a eterna ditadura dos cartolas, em todos os campos do esporte, que agem à vontade, sem oposição.

“Futebol ao sol e á sombra”, boa leitura para entender o que tudo isso significa.